DIOGO PIRES_ruanoite

Residencial Diogo Pires

2011

Jaguaré, São Paulo
SP, Brasil

O Residencial Diogo Pires se insere nas ações de urbanização da Favela Nova Jaguaré em São Paulo com o objetivo de realizar parte do reassentamento das famílias moradoras nas áreas de risco ou afetadas por obras de infraestrutura.

O projeto explora as relações entre público e privado ao propor espaços e usos variados, especialmente os estabelecidos no térreo, que enfatizam a importância da “vida coletiva” como elemento indispensável para a construção de uma cidade mais democrática.

 

Residencial Kenkiti Simomoto

2008 – 2010

Foto: Fábio Knoll

Avenida Kenkiti Simomoto, São Paulo
SP, Brasil

O Residencial Kenkiti Simomoto se insere nas ações de urbanização da Favela Nova Jaguaré em São Paulo com o objetivo de realizar parte do reassentamento das famílias moradoras das áreas de risco.

Implantado em um terreno com aproximadamente 4.846 m2, o conjunto é composto de 110 unidades habitacionais distribuídas em três edifícios com cinco pavimentos.

Nos espaços de uso coletivo interno ao conjunto foram criadas áreas de lazer e recreação destinadas à utilização dos mais diversos grupos. As coberturas das edificações, juntamente com o conjunto de espaços comuns, são qualificadas para uso coletivo e também têm o objetivo de favorecer a socialização entre os moradores.

Através da proposta de uma via de acesso público, que estabelece relação com o entorno, o conjunto oferece uma pequena praça com unidades para comércio.

Cantinho do Céu

2009 – 2012

Foto: Daniel Ducci

Rua das Andorinhas Brasileiras, Grajaú
SP, Brasil

O projeto de urbanização desenvolvido para os loteamentos irregulares que compõem o Complexo Cantinho do Céu foi desenvolvido com base em estudos e diretrizes formuladas pela Secretaria Municipal de Habitação.

Diante do desafio de intervir nessa área, alvo de ação civil pública, consolidada, densamente ocupada, ambientalmente frágil, com grandes dimensões territoriais e acesso direto à barragem Billings, novos projetos experimentais se fizeram necessários. O desafio é superar os problemas decorrentes da ocupação irregular e precária de uma área de proteção ambiental e, principalmente, da ocupação inadequada da orla do reservatório, que foi agravada pela falta de saneamento básico.

No desenvolvimento do projecto de urbanismo procurámos formular hipóteses de intervenção que visassem ultrapassar o conjunto de défices de infra-estruturas, qualificando e integrando o povoamento à cidade, conjugando as várias disciplinas envolvidas, as questões fundiárias e pós-ocupação, bem como a forma de organização da população.

Boldarini_Areiao_Vista08_HR

Urbanização Areião

2011 – 2014

Montanhão, São Bernardo do Campo
SP, Brasil

A proposta busca promover a integração urbanística entre o conjunto de assentamentos e a zona urbana consolidada, conectando-o a Norte com o restante do município, revertendo a condição de isolamento que o bairro possui, através do prolongamento da Av. Padre Léo Comissári, passando pelos núcleos Braservice e Silvina Audi, e facilitando o acesso ao centro e aos equipamentos públicos do entorno.

A qualificação das áreas ambientalmente degradadas em decorrência do processo de antropização busca enfocar a recuperação dos Mananciais da Bacia da Billings através da recomposição da vegetação de cumeeiras, encostas, margens de córregos, procurando restabelecer este ciclo de captação e recarga de água para os mananciais, e da implantação de sistemas de infraestrutura como abastecimento de água, redes de coleta de esgoto e de drenagem, para 100% da área de intervenção, evitando o despejo desta fonte poluidora diretamente na represa.

Praça Alpes do Jaraguá

2001 – 2002

Foto: Marcos Boldarini

Alameda das Palmeiras, São Paulo
SP, Brasil

A localização do terreno pode ser considerada estratégica. Nas proximidades do Pico do Jaraguá, o local pode ser visto da Rodovia dos Bandeirantes.

A área tem duas porções com conformações diferenciadas: uma está em desnível e a outra é plana. Esta situação possibilitou a execução, na parte em desnível, de dois volumes expressivos destinados às brincadeiras, que são conectados por uma passarela com vão de dez metros. Esses volumes marcam a paisagem através de suas cores fortes, suas formas e seus pisos em diferentes cotas, onde são instalados bancos para a permanência das pessoas e de onde é possível a visualização do belíssimo entorno do Pico do Jaraguá.

Já a área plana foi destinada à instalação de brinquedos infantis no piso de areia, valorizando a permanência para o descanso e local de conversa nas bordas das calçadas junto ao espaço de brincar.

Orla Marítima de Ilha Comprida

2011 – 2013

20122016 tratada 2

Av. Beira Mar, Ilha Comprida
SP, Brasil

Ilha Comprida, um município que tem a peculiaridade de ocupar uma estreita faixa de areia com aproximadamente 72 km de extensão por 3 km de largura e 100% de seu território incluído em APA, recebe em sua área central um projeto de requalificação da orla marítima que busca a organização e dinamização das atividades beira-mar e tem objetivos que vão além dessa frente marítima e do turismo de veraneio.