DIOGO PIRES_ruanoite

Residencial Diogo Pires

2011

Jaguaré, São Paulo
SP, Brasil

O Residencial Diogo Pires se insere nas ações de urbanização da Favela Nova Jaguaré em São Paulo com o objetivo de realizar parte do reassentamento das famílias moradoras nas áreas de risco ou afetadas por obras de infraestrutura.

O projeto explora as relações entre público e privado ao propor espaços e usos variados, especialmente os estabelecidos no térreo, que enfatizam a importância da “vida coletiva” como elemento indispensável para a construção de uma cidade mais democrática.

 

Orla Marítima de Ilha Comprida

2011 – 2013

20122016 tratada 2

Av. Beira Mar, Ilha Comprida
SP, Brasil

Ilha Comprida, um município que tem a peculiaridade de ocupar uma estreita faixa de areia com aproximadamente 72 km de extensão por 3 km de largura e 100% de seu território incluído em APA, recebe em sua área central um projeto de requalificação da orla marítima que busca a organização e dinamização das atividades beira-mar e tem objetivos que vão além dessa frente marítima e do turismo de veraneio.

Praça Cidade das Flores

2005 – 2007

Foto: Wanderley Costa

Prefeitura Municipal de Suzano, Rua Baruel, 501 - Centro
SP, Brasil

A Praça do Paço Municipal de Suzano viabilizou a construção de um espaço público de importância simbólica e que confere identidade ao Centro Cívico do município.

A importância de se completar o Paço Municipal de Suzano, antes um descampado utilizado como estacionamento, se deu por sua localização privilegiada no centro da cidade, muito próxima ao centro comercial e de serviços e, ao mesmo tempo, distante o suficiente para oferecer uma alternativa de extensão da caminhada até a Praça do Paço. Este Centro Cívico é um pólo de prestação de serviços à comunidade e, com sua remodelação, significa agora uma possibilidade de fruição e descanso seja após as compras ou durante a realização de algum serviço no centro. Da mesma forma, o simples e descompromissado passeio com as crianças ou amigos pode ocorrer uma vez que o novo espaço é, por si só, um lugar de estar muito agradável e atraente.

Foto: Fábio Knoll

Residencial Kenkiti Simomoto

2008 – 2010

Avenida Kenkiti Simomoto, São Paulo
SP, Brasil

O Residencial Kenkiti Simomoto se insere nas ações de urbanização da Favela Nova Jaguaré em São Paulo com o objetivo de realizar parte do reassentamento das famílias moradoras das áreas de risco.

Implantado em um terreno com aproximadamente 4.846 m2, o conjunto é composto de 110 unidades habitacionais distribuídas em três edifícios com cinco pavimentos.

Nos espaços de uso coletivo interno ao conjunto foram criadas áreas de lazer e recreação destinadas à utilização dos mais diversos grupos. As coberturas das edificações, juntamente com o conjunto de espaços comuns, são qualificadas para uso coletivo e também têm o objetivo de favorecer a socialização entre os moradores.

Através da proposta de uma via de acesso público, que estabelece relação com o entorno, o conjunto oferece uma pequena praça com unidades para comércio.

Residencial Corruíras

2010 – 2013

corruiras_78_site

Rua das Corruíras, São Paulo
SP, Brasil

O Residencial Corruíras está inserido dentro das ações da SEHAB/PMSP para a área da Operação Urbana Consorciada Água Espraiada, foi planejado para viabilizar o reassentamento dos moradores da Favela Minas Gerais, ocupação irregular lindeira à obra. O conjunto está implantado em um terreno com declividade acentuada próximo ao córrego Água Espraiada, de modo a oferecer uma oportunidade singular para a percepção do relevo e paisagem.

Praça Alpes do Jaraguá

2001 – 2002

Foto: Marcos Boldarini

Alameda das Palmeiras, São Paulo
SP, Brasil

A localização do terreno pode ser considerada estratégica. Nas proximidades do Pico do Jaraguá, o local pode ser visto da Rodovia dos Bandeirantes.

A área tem duas porções com conformações diferenciadas: uma está em desnível e a outra é plana. Esta situação possibilitou a execução, na parte em desnível, de dois volumes expressivos destinados às brincadeiras, que são conectados por uma passarela com vão de dez metros. Esses volumes marcam a paisagem através de suas cores fortes, suas formas e seus pisos em diferentes cotas, onde são instalados bancos para a permanência das pessoas e de onde é possível a visualização do belíssimo entorno do Pico do Jaraguá.

Já a área plana foi destinada à instalação de brinquedos infantis no piso de areia, valorizando a permanência para o descanso e local de conversa nas bordas das calçadas junto ao espaço de brincar.